Blog

A turbinectomia faz mudanças nos cornetos nasais.

Turbinectomia: conheça esse procedimento e quando é necessário

POR drerickoliveira | jul 14, 2022 | Cirurgia Plástica

Você conhece a turbinectomia? Este procedimento é conhecido por corrigir problemas causados pelos cornetos nasais, estruturas presentes no interior do nariz.

Inclusive, sendo uma intervenção cirúrgica feita em conjunto com outros igualmente importantes, como a Rinoplastia e a septoplastia. Mesmo assim, não é um processo tão indicado, uma vez que existem novas soluções como a turbinoplastia.

De qualquer forma, ao planejar uma cirurgia, você deve realizá-la com um Especialista em Rinoplastia, para minimizar ainda mais os riscos e ter resultados satisfatórios.

Quer saber mais detalhes sobre a turbinectomia e a turbinoplastia? Então, continue lendo para ver as principais informações sobre este procedimento e suas particularidades. Boa leitura!

O que são cornetos nasais?

Em primeiro lugar, é necessário explicar o que são os cornetos nasais, visto que a turbinectomia está relacionada com a solução de problemas nessas estruturas.

Os cornetos nasais consistem em seções do nariz compostas por osso, mucosa e tecido esponjoso que apresentam a função de umidificar e aquecer o fluxo do ar inspirado.

Eles também são chamados de conchas nasais ou de carne esponjosa e se dividem em três pares de corneto: superior, médio e inferior.

Doenças como sinusite e rinite alérgica ocasionam problemas nos cornetos, especialmente no inferior. Com isso, os cornetos podem aumentar de tamanho e causar problemas respiratórios, como a congestão nasal, por exemplo.

Para quais casos a intervenção nos cornetos é indicada?

Antes de tudo, é necessário apontar que a intervenção cirúrgica dos cornetos não ocorre em todos os casos de hipertrofia.

Embora seja um procedimento simples, deve-se fazer a cirurgia como último recurso. Aliás, faz-se esta cirurgia quando o paciente não responde às técnicas mais conservadoras, como tratamento com esteróides nasais.

Em alguns casos, certos traumas ocasionam o aumento dos cornetos, o que prejudica a respiração. Assim, também se indica a intervenção cirúrgica na região.

Por fim, alguns pacientes que possuem crescimentos nas passagens do nariz ou tumores podem se beneficiar dessa intervenção cirúrgica e, consequentemente, respirar melhor.

Logo, encontram-se soluções como a turbinectomia, não tão utilizada atualmente, e a turbinoplastia. A seguir, explicamos melhor.

É preciso conhecer a turbinectomia antes de optar por esse processo.

Saiba o que é a turbinectomia

A turbinectomia consiste em um procedimento cirúrgico nas conchas nasais, com o intuito de auxiliar no alívio da congestão nasal crônica.

Ela se divide em dois tipos:

  • Total: onde se remove toda a estrutura dos cornetos, composta por ossos, tecido e mucosa;
  •  Parcial: há uma remoção parcial dos cornetos, visando diminuir a área inferior.

A decisão pelo tipo de turbinectomia depende do médico especialista, que considera o histórico do paciente e o risco de surgimento de uma nova hipertrofia dos cornetos.

Contudo, vale ressaltar que é um procedimento que está em desuso. Isso porque, com a amputação dos cornetos, podem existir problemas com a passagem de ar e pressão nas paredes do nariz.

A intervenção cirúrgica dura cerca de 30 minutos a 1 hora e o médico utiliza um endoscópio para o procedimento, sem necessidade de realizar incisões. Geralmente, se faz procedimentos como este sob anestesia geral.

Entenda o que é turbinoplastia

Em alguns artigos na internet, você pode encontrar turbinoplastia como sinônimo de turbinectomia. Contudo, isso se trata de um equívoco, visto que são procedimentos distintos.

Como visto, a turbinectomia consiste na retirada parcial ou total dos cornetos hipertrofiados, visando um melhor conforto respiratório para o paciente.

Em contrapartida, a turbinoplastia se refere à intervenção em que se utiliza um instrumento com o intuito de reposicionar a concha lateralmente.

Dessa maneira, se aumenta a penetração das vias áreas e, em seguida, o especialista realiza uma cauterização elétrica da superfície das conchas inferiores.

Em outras palavras, não há remoção dos cornetos nasais. Há apenas um reposicionamento para que o ar passe pelas vias áreas sem nenhum impedimento.

Todavia, existem alguns casos em que o médico especialista pode se deparar com a necessidade de remover uma pequena quantidade de tecido da área.

Turbinectomia ou turbinoplastia: entenda qual a melhor opção

Ao detectarem a hipertrofia dos cornetos nasais, muitos profissionais indicam uma intervenção para que o problema seja corrigido. 

Assim, é necessário avaliar cada caso e verificar o que se adequa mais ao quadro do paciente.

Como dissemos, atualmente, a turbinectomia não é tão utilizada, enquanto a turbinoplastia se tornou uma ótima opção.

De modo geral, a turbinectomia assegura um resultado definitivo, uma vez que acontece a amputação dos cornetos. Contudo, se trata de um procedimento mais invasivo e a sua cicatrização também é mais demorada.

Além disso, existe o risco de acontecer pequenos sangramentos nasais e a formação de crostas. Com isso, elas devem ser extraídas pelo médico, exigindo assim que o paciente retorne ao consultório.

Por outro lado, a turbinoplastia apresenta um pós-operatório com maior grau de conforto para o paciente, pouca incidência de sangramento. E também menos formação de crostas no interior do nariz.

Apesar de ser uma abordagem cirúrgica simples, é necessário que o paciente mantenha os seguintes cuidados no pós-operatório:

  • Após a alta, repouso por 48 horas;
  • Higienização nasal com soro fisiológico;
  • Não assoar o nariz ou fazer movimentos bruscos com a cabeça nos primeiros dias;
  • Não fazer exercícios físicos na primeira semana após a cirurgia;
  • Retornar ao consultório médico para uma avaliação após 7 dias.

Septoplastia e turbinectomia: quando pode acontecer?

Como abordamos na introdução, existem casos em que se pode fazer a turbinectomia e a septoplastia juntas. No entanto, isso não é uma regra geral.

Afinal, a septoplastia consiste na correção do desvio de septo, um problema que pode ser causado pelas mesmas doenças, mas não obrigatoriamente.

Entretanto, é muito comum que o paciente que apresenta desvio do septo também tenha os cornetos nasais hipertrofiados. Assim, fazer os dois procedimentos garante melhores resultados para a qualidade de vida do paciente.

O aspecto mais importante é escolher um especialista habilitado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, pois apenas profissionais especializados podem realizar esses procedimentos.

Turbinoplastia é com o Dr. Erick Oliveira!

Agora que você já sabe as principais informações sobre a turbinectomia, e a solução da turbinoplastia, é necessário conhecer um cirurgião competente e gabaritado. Para isso, você pode contar com o Dr. Erick Oliveira.

Com fellowship nos Estados Unidos e experiência de mais de 10 anos em cirurgias de nariz, Dr. Erick oferece o melhor atendimento para você que deseja fazer turbinoplastia com segurança.

Portanto, agende sua consulta e aproveite toda a estrutura e acompanhamento que apenas a clínica do Dr. Erick Oliveira pode te oferecer.